Terriço de Folhas

Terriço de folhas
Cobertura do solo em volta de uma Abóbora ‘Muscat de Provence’.
Terriço de Folhas
Gaiola para fazer o terriço de folhas.

O terriço de folhas é uma espécie de composto que como o nome indica, é obtido apenas com folhas. O que nos faz questionar, porque não simplesmente misturar tudo no composto? Porque no caso das caducifólias, as folhas aparecem todas de uma vez num curto período de tempo o que desequilibraria o composto, além disso o terriço de folhas tem propriedades únicas e utilizações diferentes.
É fraco em nutrientes mas retém muito bem a humidade, é óptimo para condicionar o solo, para o soltar e tornar leve, ou então para cobertura em quantidades generosas de 10 ou 15 centímetros.
Nem todas as folhas são iguais, segundo alguns especialistas — na jardinagem há opiniões para todos os gostos —, as melhores são as de Carvalho, Faia ou Choupo. Portanto, aqui não faço do melhor, faço do pior, que é óptimo. As folhas que utilizo são de Bétula, Camélias da vizinha (misturar folhas perenes não será a melhor opção por questões de tempo, mas funciona), Cornus, Ácer e tudo o resto. Algumas folhas substanciais beneficiam se forem trituradas, mas não é obrigatório, apenas demoram um pouco mais.
Também podem ser utilizadas agulhas de coníferas, de preferência numa pilha separada para produzir terriço ácido, o que é útil para vários cultivos, mas deve ter em conta que demoram dois ou três anos a ficar prontas.
A razão porque o terriço de folhas demora mais tempo a fazer do que o composto é porque a decomposição é realizada por fungos, enquanto que no composto é por bactérias que geram calor e aceleram bastante o processo.

Como fazer

As folhas devem ser molhadas se estiverem secas. E se secarem demasiado durante os períodos de calor, devem ser molhadas novamente.
A forma mais fácil é encher grandes sacos de lixo previamente furados e colocar de lado arrumados a um canto. Também podem ser re-utilizados aqueles sacos de batatas de plástico, que já têm arejamento suficiente.
Pode ser utilizado um compostor normal de plástico, mas não dá para muitas folhas, embora se possa ir enchendo conforme elas forem decaindo e diminuindo de volume — e diminuem imenso, são necessárias mesmo muitas folhas para uma pequena quantidade de terriço.
Pode ser construída uma gaiola de rede com buracos pequenos, do formato de um compostor ou redonda com um metro de diâmetro, ou quanto maior melhor. A função é recolher as folhas e não as deixar voar.
Diz que a urina é um bom acelerante.

Problemas

Se a pilha estiver a demorar demasiado tempo, tente revirá-la regularmente para arejar.
Se recolher folhas da rua, tenha em atenção que estão contaminadas pela poluição automóvel, o melhor é ser de largos, jardins ou ruas calmas.
Junto com as folhas vai sempre o indesejável bocado de plástico, que anda por todo o lado (nas ruas, ainda pior).

Utilização

O terriço de folhas bem compostado (dois anos ou mais) pode ser utilizado como substrato de germinação.
Misturado com terra do jardim pode ser utilizado em vasos, à partida não terá sementes viáveis.
Também pode ser utilizado como cobertura do solo, neste caso pode ser terriço com cerca de um ano.

Notas pessoais

Julho de 2022

É o primeiro ano que utilizo em quantidade, ou seja, tem três ou quatro anos. Está a ser para cobertura do solo, mas espero guardar algum para germinação e envasar, o meu composto não atinge uma temperatura elevada e tem sempre imensas sementes viáveis que germinam em todo o lado.

Links de interesse

How to make leaf mould: top tips for turning autumn leaves into a garden asset (Gardeningetc)
How to Make Leafmold – Gardener’s Gold (GrowVeg)
How to make leaf mould no The Guardian
Leafmould na Royal Horticultural Society