Etiqueta: cor-de-laranja

Cornus nuttallii × Cornus florida ‘Eddie’s White Wonder’

Trata-se de uma magnífica pequena árvore que exibe uma profusão de grandes flores brancas e fragantes, que aparecem antes da folhagem, no início da Primavera. É um híbrido de Cornus nuttallii (originário do Noroeste do Pacífico) e Cornus florida (nativo do leste da América do Norte) conseguido no Canadá por Henry Matheson Eddie1 (1881-1953) em 1945. Perderam-se praticamente todas as plântulas devido a uma cheia no Fraser Valley em 1947, mas um dos melhores espécimes tinha ido para Richmond e foi desse exemplar que foram reproduzidos todos os Cornus ‘Eddie’s White Wonder’. O exemplar mais antigo conhecido data de 1951.
Depois da floração desenvolvem-se uns frutos de cor laranja avermelhada, apreciados por várias espécies de pássaros. Como se não bastasse, no Outono as folhas tornam-se cor-de-laranja, vermelhas e púrpura para uma última e espectacular exibição. Previsivelmente, exibe também o Award of Garden Merit da RHS.

Cultivo

As plantas que lhe deram origem, no seu habitat natural vivem à sombra de árvores maiores, em matas e bosques. A Cornus ‘Eddie’s White Wonder’ está melhor ao Sol ou sombra parcial.
Podar interfere com a estrutura distinta desta árvore2 e deve ser estritamente limitada à remoção de ramos mortos ou cruzados, pouco mais.
A floração está de certa forma dependente do Verão da época anterior. Um verão quente e longo trará uma Primavera de grande floração. Da mesma forma, um Verão frio e curto, tornará a floração seguinte esporádica e fraca.

J F M A M J J A S O N D
Podar Floração Floração

Doenças

Antracnose.

Hábito Caducifólia
Cor na Primavera Flores brancas
Cor no Outono Folhas cor-de laranja, vermelhas e púrpuras
Fragante Sim
Altura 8m (em 25 anos ou mais)
Largura 6m (em 25 anos ou mais)
Exposição Sol ou sombra parcial
Água Solo húmido
Solo Barrento ou arenoso
PH do solo Altamente ácido a neutro
Longevidade 80 anos

Links de interesse

Plant of the Centenary (RHS)
As plantas do centenário em imagens (The Guardian)
Chelsea Flower Show

  1. Também responsável por ter conseguido o Cornus nuttallii ‘Gold Spot’ []
  2. Na verdade, a poda das árvores ornamentais interfere com a estrutura de praticamente todas as árvores e deve ser reduzida ao mínimo. []

Grande-cerejeira-branca, Prunus serrulata ‘Tai-haku’

Prunus serrulata 'Tai haku'

Prunus serrulata 'Tai haku'.
Detalhe da folha e a razão do nome “serrulata”.

Trata-se de uma árvore de porte médio com um hábito redondo, cuja principal característica são as suas inúmeras grandes flores brancas que a cobrem completamente na Primavera. Tai-haku significa “grandes flores brancas”, na verdade até 8cm de diâmetro, cerca do dobro do tamanho que as flores de cerejeira mais comuns.
No Outono, a folhagem torna-se bronze, com vários tons de laranja e vermelho, acrescentado mais um factor de interesse a esta adorável árvore.
Bem conhecida — até lendária —, no Japão através de registos históricos e gravuras, por algum motivo desapareceu no fim do século XVIII. Julgou-se perdida até que um exemplar foi descoberto por acaso em 1923 num jardim de Sussex, no Reino Unido. O dono mostrou ao capitão Collingwood Ingram (um especialista em cerejeiras japonesas) uma magnífica cerejeira com adoráveis flores brancas que Ingram não reconheceu, mas cortou ramos para a reproduzir que originaram plantas que foi passando a outros. Na sua seguinte viagem ao Japão, foi-lhe mostrado um livro de ilustrações botânicas do século XVIII onde reconheceu imediatamente a cerejeira de Sussex. Todas as cerejeiras Tai-haku, incluindo as existentes no seu país de origem, descendem deste exemplar.
Tem o Award of Garden Merit da RHS.

Cultivo

Não que seja estritamente necessário, mas como todas as cerejeiras, poda-se no Verão.

J F M A M J J A S O N D
Floração Floração Podar Podar Podar

Notas pessoais

2023

Começou a florir no dia 23 de Março.

Links de interesse

Sarah Raven sobre a Tai-Haku (The Telegraph)