Etiqueta: auto-suficiência

Auto-suficiente

Quintal
O quintal no fim do Inverno.

A seguir, disse ao homem: “Porque atendeste à voz da tua mulher e comeste o fruto da árvore, a respeito da qual Eu te tinha ordenado: ‘Não comas dela’, maldita seja a terra por tua causa. E dela só arrancarás alimento à custa de penoso trabalho, todos os dias da tua vida.
Produzir-te-á espinhos e abrolhos, e comerás a erva dos campos. Comerás o pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de onde foste tirado; porque tu és pó e ao pó voltarás.”

—Génesis 3:16-19


O jornal The Guardian do Reino Unido, pergunta aos leitores que tamanho deve ter um terreno para uma família de quatro ser auto-suficiente. Em 1970 John Jeavons e a Ecology Action descobriram ou determinaram, que 370 metros quadrados são suficientes para sustentar uma pessoa com uma dieta vegetariana. Também se diz que durante o Verão bastam 10 metros quadrados por pessoa. As respostas variam entre os 40 metros quadrados até 2,5 hectares de John Seymour no livro Complete Book of Self-Sufficiency, mas que incluem animais e cereais.
Mas mantendo a questão apenas nos vegetais, na minha opinião serão uns 100 metros quadrados. Juntam-se árvores de fruto, frutos vermelhos, talvez uma pequena vinha e talvez uns 400 metros quadrados. Mas a questão na verdade tem pouco interesse, porque ser auto-suficiente é um trabalho a tempo inteiro, provavelmente para toda a família, o que certamente não irá acontecer. A agricultura de subsistência foi abandonada ou pelo menos é evitada o mais possível, não é por ser fácil.
O meu avô em cerca de 100 metros quadrados foi a pessoa mais auto-suficiente que conheci e incluía ramada que dava vinho para todo o ano e alguns animais. Eu, ocupando hoje o mesmo espaço que expandi para uns 200 metros quadrados nem para lá caminho. A mais do que ele tenho fruta, mas apenas uma videira e não tenho animais. É um trabalho que nunca acaba e que me dá a sensação de estar sempre atrasado. Ainda posso melhorar imenso a produtividade, mas só valerá a pena com uma estratégia capaz de conservação.
A minha “estratégia” de conservação passa quase exclusivamente por congelar. Tenho de fazer mais compotas, mais conservas, xaropes, secar atempadamente algumas culturas, desidratar outras… Tudo isso ocupa imenso tempo, exige organização, uma infinidade de frascos, tabuleiros de madeira, espaço para guardar tudo isso e um lugar fresco, sem muita humidade. É super difícil.
O mais interessante e viável seria uma pequena comunidade de amigos que se entreajudassem, trocassem colheitas e conservas, outra impossibilidade na vida citadina de hoje. Nunca serei auto-suficiente, o quintal é apenas o meu contributo mínimo para o ambiente e para uma alimentação mais saudável para a família. E já não é pouco (mas parece-me).

Links de Interesse

The Guardian
Ecology Action
Pantry Fields (antiga quinta de John Seymour)

Razões para cultivarmos os nossos próprios alimentos

Raramente compensa economicamente. Quase toda a gente ganha numa hora o suficiente para comprar fruta e vegetais para toda a semana. Pode compensar para algumas famílias de baixo rendimento, mas para a maior parte de nós, não compensa. Portanto, não o fazemos pelo dinheiro.

Horta
Horta com feijão, favas, ervilhas, alface, entre outras coisas.

Frescura

A fruta e os vegetais colhidos na nossa horta são o que há de mais fresco. Não há nada de comparável.

Confiança

Sabemos exactamente como foram criados os alimentos. Apesar de podermos confiar noutros horticultores e em esquemas de certificação biológica, os nossos próprios métodos são para nós os mais certos.

Variedade

Cultivar é também um incentivo para comer mais alimentos frescos. Podemos cultivar o que mais gostamos e até variedades que há muito desapareceram do circuito comercial.

Exercício

Exceptuando os custos e ser sinal de uma vida sedentária, não há nada contra fazer exercício por fazer e ir até ao ginásio ou à piscina. Mas o trabalho ao ar livre, por vezes árduo, é insubstituível.

Comunidade

Além de melhorar a nossa vida individualmente, a jardinagem pode ajudar a construir a nossa comunidade. É pena em Portugal não se verem muitas hortas comunitárias (está a mudar muito, mas pelas razões erradas) e também nas escolas.

Espiritualidade

Cultivar frutas e vegetais é o único contacto que muitos de nós tem com a Terra. E somos participantes no ciclo da vida. O ambiente deixa de ser uma abstração quando trabalhamos o solo e ele se desfaz nas nossas mãos.

Futuro

Temos a satisfação de estar a fazer algo concreto e positivo para o futuro do nosso planeta. Muitas das nossas acções ecológicas tratam de não fazer algo: Não voar, não andar de automóvel, não comer tanta carne… Jardinar é algo que podemos fazer.