Etiqueta: amphimallon sostitialis

Há imenso que fazer no jardim, mas resolvi fazer uma coisa que andava a adiar: Revirar a pilha de composto. Foi do compostor um para o três, porque o dois está ocupado com material triturado que planeio utilizar nas batatas.
Antes disso, reparei que na “gaiola” das folhas havia uma terra preta a sair para fora. Tirei de cima as folhas e ramos (e flores que a minha vizinha para lá deita) e voilá, tenho terriço de folhas pela primeira vez. Confesso que parece em tudo igual ao composto… mas dizem que não é fértil. Peneirei um balde que irei utilizar nas sementeiras.
Virei-me para o compostor um e claro que foi um trabalhão, estava super cheio e tem tamanho suficiente para encher o compostor dois e três (estes têm cerca de 1m3). Claro que não revirar para o dois, mesmo ao lado, foi trabalho extra. Tem milhões de minhocas e as habituais larvas do Escaravelho-de-Junho, Amphimallon sostitialis que desde que soube que é uma espécie em dificuldades, deixo em paz e sossego, como praticamente todos os insectos. Ao chegar a meio da profundidade a bicharada começou a desaparecer até não haver nenhuma, sinal inequívoco que o composto está pronto. E está mesmo! Fiquei satisfeito com isso, por algum motivo julgava que não iria estar pronto. Tenho de o peneirar para ser utilizável, mas está óptimo e o cheiro é bom. Nunca ao revirar a pilha me cheirou a podre ou a amoníaco. O compostor três ficou completamente cheio, o volume deve no final ser cerca de metade. Também juntei um balde de bokashi que estava pronto.
Não é possível descrever o que o compostor um devorou durante este ano, é espantoso.

Joaninha

Hoje semeei uma linha de Nabo ‘Branca-de-neve’ e preparei outra linha para semear mais em breve. Amarrei o Kiwiberry e a roseira ‘Graham Thomas’ que tem o pequeno defeito de ser algo selvagem e verdadeiramente cheia de picos. Tenho alguma dificuldade em mantê-la no arco.
Peneirei mais dois baldes de composto e apareceram mais seis larvas de Escaravelhos-de-Junho que agora não esmago, deixo-as andar porque como tantos outros insectos estão em dificuldades. Também arranquei ervas e reguei.
A Camomila está agora praticamente toda florida e ocupa grande parte do Quintal, cheia de Joaninhas, as suas larvas e pupas. Estou satisfeito.

Rosa Étoile de Hollande
Rosa ‘Étoile de Hollande’ (David Austin Roses).

Resolvi voltar a plantar a Grevillia rhyolitica de ontem, desta vez juntando um saco de substrato próprio para Proteas, porque é da mesma família (Proteaceae). Além disso plantei um Pieris japonica ‘Forest flame’ num local proeminente — vê-se do portão a 20 metros, ao centro. Também uma das Nandina domestica ‘Lemon lime’.
Por fim a roseira de David Austin ‘Étoile de Hollande’, que é a mais decrépita que aqui anda. Descobri pelo menos parte da razão, três larvas (pode haver mais) de Escaravelho-de-junho, Amphimallon sostitialis, a devorar as raízes.