Etiqueta: beta vulgaris

Semeei Beringela ‘Tsakoniki’ e ‘White egg’. Transplantei todas as alfaces, que estão mais robustas que no fiasco anterior — mas de qualquer modo, vem aí imenso calor ao que dizem.
Nos canteiros 2 e 3 uma fileira de rabanetes ‘National 2’ da Vilmorin. Nos canteiros 1 e 4 uma fileira de espinafres perpétuos, Beta vulgaris, mas são sementes antigas, não tenho grande fé. Nos quatro canteiros, junto às estacas, feijão ‘Blauhilde’.
Plantei os restantes pés de melancia ‘Sugar baby’ e também seis pés de tomate ribatejano. Os restantes vou colocar em vasos e oferecer.
Tirei todas as favas ‘Aquadulce supersimonia’ e descasquei-as (foram semeadas dia 7 de Março e para não variar não cheguei a estacar). No processo relocalizei (mudei de sítio) mais de uma dezena de joaninhas, o que me deixa sempre satisfeito, penso que estarei a fazer algo certo.
Parece tudo extremamente tarde, mas acho o tempo instável e noites frias para uma boa germinação. Mesmo os tomates já estabelecidos, têm crescido pouco. No entanto, já estamos a colher cebolas.

Quintal. Pixel e Sparky.
Na cadeira do Quintal ao fim da tarde.

Hoje semeei dezenas de coisas, depois terei de fazer a lista.
Directamente nos canteiro, uma linha de Beta vulgaris que traduzido à letra do inglês será Espinafre-perpétuo, mas em português Acelga-brava (e aqui a acelga não é particularmente apreciada…).
Debaixo da Macieira ‘Jonagored’, à esquerda Aipo, Apium graveolens e à direita Salsa, Petroselinum crispum ‘Mooskrause’.
Depois peneirei dois baldes de composto e arrumei vasos.

Cebolinho

Semeei Espinafres-perpétuos (traduzindo literalmente do inglês, mas parece que é a vulgar Beterraba), Beta vulgaris (Chiltern Seeds).
O cebolinho já cresceu imenso passados apenas três dias de o ter cortado, mas infelizmente os afídios não o largam.